Compartilhe

Amamentação oferece vários benefícios e protege o bebê

A amamentação eleva a proteção do recém-nascido e também garante o que ele precisa para se desenvolver de forma saudável.

Além disso, você já ouviu falar que dar o peito ao filho faz tão bem, que ajuda na imunização dos bebês contra a Covid-19?

Ainda existem muitos benefícios que você precisa conhecer em relação ao aleitamento materno.

Saiba agora mesmo tudo de bom que a amamentação oferece.

Descubra por que o leite materno é mesmo tão importante

A amamentação é uma das práticas mais naturais e saudáveis que a mãe pode ter em relação ao filho e esse ato traz vários benefícios para ambos. Aumento da imunidade, prevenção contra infecções, redução do risco de diabetes são os principais ganhos do bebê. As mulheres também têm bons motivos para dar o peito. Elas diminuem a chance de desenvolver depressão pós-parto, perdem peso com mais facilidade e ainda criam fortes laços de afeto com a criança.

Por esses e tantos outros motivos, entre os dias 1º e 7 de agosto é comemorada a Semana Mundial do Aleitamento Materno. Trata-se de uma campanha criada com o objetivo de conscientizar as mães sobre a importância de dar de mamar. A primeira “refeição” do recém-nascido deve ser oferecida logo depois do nascimento, ou seja, em até uma hora após o parto. É um momento tão mágico, quanto inesquecível. Ele não precisa de outro alimento nos primeiros seis meses.

Segundo a nutricionista do programa Diabetes, eu cuido!, Daniella Pretricelli, o primeiro leite produzido pelo organismo se chama colostro. Tem consistência rala devido ao baixo teor de gordura (meio transparente), mesmo assim, não se impressione. É considerado a primeira vacina do bebê porque garante elevada proteção e previne morte prematura. Pode ser visto no máximo até cinco dias e é ideal ao frágil estômago que recebe o primeiro alimento.

Muitas mulheres acham que o próprio leite é fraco por causa da aparência e pequena quantidade do colostro. Na verdade, esse líquido possui mais proteínas e anticorpos do que o leite maduro e as mães podem ficar tranquilas porque o volume gerado e as características nutricionais são suficientes para manter o recém-nascido bem alimentado. Sua única tarefa é dar o peito, pois a natureza já providenciou tudo do que o recém-nascido precisa.

Saiba quais são as fases da amamentação e os tipos de leite

O organismo feminino muda o tipo do leite de acordo com a maturidade do recém-nascido. Depois do colostro começa a ser produzido um alimento com mais gordura porque o bebê já recebeu a quantidade adequada de proteínas e anticorpos necessários aos primeiros dias de vida. O estômago dele também está preparado para receber algo mais denso. Essa fase vai até o 15º dia de amamentação e depois dela, o tipo de leite que chega é o definitivo, ou seja, continua sendo produzido até o fim do aleitamento.

Esse leite é chamado de maduro porque chegou a uma composição que oferece tudo que seu filho precisa para completar naturalmente a própria estrutura física e cognitiva. Segundo Daniela, tal alimento é rico em vitaminas A, C, D, E, K e complexo D. “Isso faz com que a saúde do bebê evolua desenvolvendo com os nutrientes que precisa”, explica a nutricionista do programa Diabetes, eu cuido! Você deve dar o peito para seu filho durante qualquer período entre seis meses e dois anos, tendo em mente que crianças amamentadas ficam menos doentes e são mais bem nutridas.

Nesta Semana Mundial do Aleitamento Materno existem inúmeras informações a respeito do tema. Quanto mais você pesquisar, mais tranquila vai ficar ao saber o quanto pode beneficiar e proteger seu filho ao amamentá-lo, inclusive se você tiver diabetes.

Os médicos já dizem até o que pode ser feito e o que acontece com o filho quando a lactante está com Covid-19. Veja a seguir, quais são as recomendações caso a mãe tenha contraído coronavírus.

Tire suas dúvidas sobre amamentação durante a Convid-19

Se a mãe passa os próprios anticorpos por meio do leite, será que a amamentação também transmite o coronavírus para o filho quando ela testa positivo? Essa era uma das principais dúvidas no auge da pandemia. As pesquisas revelaram que até agora não foram detectados casos de contaminação por intermédio do aleitamento materno e, sendo assim, essa prática deve ser mantida.
Apesar da segurança em relação ao leite, certas medidas de segurança devem ser tomadas na hora da amamentação:

  • Higienizar as mãos e os braços, até a área do cotovelo
  • O peito só deve ser lavado se tossiu ou espirrou em cima dele
  • Usar máscara durante a amamentação
  • Caso precise tirar o leite, higienize a bomba e o recipiente.

 

Por outro lado, a comunidade científica também descobriu que os anticorpos do SARS-CoV-2 adquiridos (ou não) na vacinação são enviados ao filho que está tomando o leite da mãe. Isso faz com que o bebê fique protegido caso seja contaminado de qualquer outra maneira. Trata-se de mais uma obra da natureza, que se encarrega de transmitir anticorpos, mas evita a contaminação da criança.

Esse alimento é tão benéfico, que pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) trataram com leite materno de uma mulher imunizada o quadro de Covid-19 em uma paciente com certa doença genética que a impedia de combater o vírus. Clique aqui para ver como essa mulher foi curada durante uma semana de tratamento. Aí está mais uma prova de que o leite materno pode ser dado sem medo.

Há dezenas de benefícios para o bebê. Veja a seguir quais são os principais e fique em paz.

Anote aí:
  • Ajuda a combater vírus e bactérias
  • Previne contra a morte súbita infantil
  • Evita diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares
  • Reduz a chance de infecção no ouvido
  • Previne a obesidade
  • Colabora no desenvolvimento do sistema nervoso
  • Previne o surgimento de anemia
  • Leva a mãe a perder peso mais rápido
  • Auxilia no combate à depressão pós-parto.

 

Amamentação não tem contraindicação. É saudável, traz benefícios tanto para a mãe, quanto para o bebê e ainda fortalece a ligação entre ambos. Quer uma dica do CEDLAB? Aproveite ao máximo esse momento tão especial, porque passa bem mais rápido que você imagina.

Fale com o CEDLAB